Corrimento vaginal: Quando devo me preocupar?

Toda mulher apresenta algum tipo de corrimento ao longo da vida, que também é conhecida como secreção vaginal, não se preocupe! No entanto, existem alguns tipos de corrimento que indicam que algo está errado com nosso corpo e merecem uma atenção maior com uma consulta ao ginecologista para investigar a causa. 

O corrimento vaginal acontece, na maioria das vezes, por alterações hormonais no corpo da mulher, próprias do ciclo menstrual, e não deve ser encarado como um problema ou motivo de vergonha. O importante é conhecer quais são os corrimentos considerados fisiológicos e aqueles que alertam sobre alteração em nossa saúde!

Como é o corrimento vaginal fisiológico?

Essa secreção vaginal natural se trata de um líquido bem fluido que possui uma consistência de clara de ovo, e não possui nenhum cheiro desagradável e costuma ser incolor ou um tom de branco bem claro, além de não causar coceira, dor ou ardência na região da vagina. 

Esse corrimento varia de volume e aspecto, ao longo do mês, com as diferentes fases do ciclo menstrual da mulher.

  • Pós-menstruação: Logo após o fim da menstruação, é normal que a vagina elimine menos secreção do que no período da TPM (tensão pré-menstrual);
  • Ovulação: Ao passar a menstruação e a data de ovulação se aproximar, a secreção costuma aumentar em quantidade, tornando-se mais líquida, fluida e deixando a região íntima mais úmida;
  • Pós-ovulação: Assim que termina o período da ovulação, a secreção continua sendo eliminada, porém o aspecto muda um pouco. Nesse período o corrimento ainda está em maior quantidade, porém fica um pouco mais espesso;
  • Pré-menstruação: Ao final do ciclo, alguns dias antes da menstruação descer a tendência é que o corrimento fique mais líquido e fluido novamente.

Diferença do corrimento vaginal fisiológico para o corrimento vaginal patológico

A secreção vaginal patológica é que exige maior atenção da mulher, porque frequentemente está associada a doenças que precisam de orientação médica. As características que chamam a atenção, é, aquele corrimento volumoso, com odor forte e causando coceira, ardência, e a cor pode variar de amarelada, esbranquiçada ou escura. A textura da secreção varia muito de acordo com a patologia.

Tipos de corrimentos patológicos

Veja abaixo quais são os tipos de corrimentos patológicos.

  • Corrimento branco – Tem textura e cor semelhante a leite talhado, ou de coalhada, e pode ser causado por candidíase, infecção causada por um fungo chamado Candida Albicans. O principal sintoma que acompanha esse corrimento é a coceira.
  • Corrimento amarelo ou amarelo-esverdeado – Geralmente é causado pela tricomoníase. É uma infecção sexualmente transmissível causada por um protozoário. Pode estar acompanhada de coceira e irritação na região íntima.
  • Corrimento com cheiro – Frequentemente é característico da vaginose bacteriana, causado pela bactéria Gardnerella vaginalis. É habitualmente fétido, lembrando um cheiro de peixe podre bem característico. A coloração é branca ou cinza, e apresenta bolhas na secreção. Os sintomas associados são o corrimento acinzentado, coceira e ardência na região.

Se você apresentar qualquer um desses tipos de corrimento, principalmente associado a algum sintoma, é essencial procurar seu ginecologista para realizar o tratamento adequado. 

Artigo escrito pela Dra. Tânia Schupp

Especialista em ginecologia, obstetrícia, medicina fetal e reprodução humana

Post Anterior
Próximo Posts